PROBLEMAS COMUNS NO QUADRIL

MALFORMAÇÕES

LUXAÇÃO OU DISPLASIA CONGÊNITA DE QUADRIL: é a instabilidade ou a frouxidão da articulação coxo-femoral ao nascimento, normalmente diagnosticada no exame clínico rotineiro do recém-nascido ainda na maternidade, feito pelo pediatra e na suspeita solicitada a avaliação do ortopedista para definir o diagnóstico.  O tratamento deve ser feito inicialmente com o uso do Suspensório de Pavlik, uma órtese dinâmica que permite o encaixe do quadril do bebê na posição correta, seguido de acompanhamento médico.

 

LESÕES

BURSITE: é uma inflamação da bursa, pequena “bolsa” presente no fêmur, que tem a função de diminuir o impacto ou atrito entre os tendões e os ossos. A bursite ocorre devido ao atrito excessivo, devido à diminuição de flexibilidade, fraqueza muscular e disfunções biomecânicas.

 

TENDINITE: é um processo inflamatório ou degenerativo de tendões, que pode ser provocado por um aumento da carga de exercícios físicos e o excesso de impacto do tendão contra o osso, sendo muito comum nos tendões dos músculos glúteos, que envolvem a articulação do quadril.

 

ARTROSE: a artrose é provocada pelo desgaste da articulação, que atinge 15 a 20% da população, sendo muito comum nos adultos  jovens, vítimas de algum acidente ou malformações e também nos idosos, decorrentes do desgaste ocasionado pela idade e exercícios inadequados durante os anos.

FRATURAS

SEGUIMENTO EM CONSULTÓRIO: após um primeiro atendimento de emergência, em que pode ser feito tratamento conservador ou cirúrgico da fratura, o seguimento posterior em consultório é essencial para análise da consolidação óssea, indicação da fisioterapia e evitar ou corrigir complicações.

CORREÇÃO DE SEQUELAS DE FRATURAS: as sequelas mais frequentes são a consolidação viciosa (o osso cicatriza em posição incorreta), pseudoartrose (a consolidação da fratura não acontece com o tempo) e infecções. As sequelas geralmente exigem correção cirúrgica.